Diastema: saiba qual a causa e se é necessário tratar

O diastema é uma das principais características que comprometem a aparência do sorriso. Considerado por muitos como um charme, também pode ser a porta de entrada de uma série de problemas bucais, na falta de uma higiene bucal adequada.

O que é diastema?

O diastema nada mais é do que um espacinho avantajado entre dois dentes na dentição, normalmente os dentes frontais superiores. 

Por possuir um forte impacto na arcada dentária, normalmente o diastema é considerado por muitos como uma marca registrada. Contudo, essa fresta pode ser uma área propícia para que haja o acúmulo de placa bacteriana, e assim o aparecimento de outros problemas bucais como cáries e gengivite.

Além disso, o diastema é considerado por um problema bucal ao invés de um charme, já que em seu contexto de causa se trata de um problema de desarmonia do sorriso. Dessa forma, é muito importante que se investigue a causa principal que está por trás dessa característica.

Mesmo que sejam mais frequentes nos dentes centrais do arco dentário, também é comum nos dentes posteriores, anteriores, inferiores e superiores. O diastema pode ou não ser perceptível, contudo, sempre há a necessidade de se recorrer a ajuda do odontologista e assim, a abordagem mais adequada.

diastema dente

Quais são as principais causas do diastema?

Assim como outras anormalidades da zona bucal, o diastema pode ser causado por uma série de fatores. 

Comumente o espaçamento entre um dente e outro tende a começar a surgir a partir dos três anos de idade, estando relacionado ao desenvolvimento da dentição primária. Uma vez que seu aparecimento se desenvolve em outro contexto, é sinal de que o desenvolvimento das estruturas da face não está completo.

Entre as principais causas do aparecimento do diastema estão:

  • Acúmulo de placa bacteriana;
  • Freio de um dente na arcada;
  • Freio labial alongado;
  • Retração gengival; 
  • Discordância entre os tamanhos dos dentes e da mandíbula;
  • Redução do tamanho dos dentes;
  • Condição de microdontia generalizada ou localizada;
  • Redução do número de dentes agenesia ou hipodontia;
  • Fatores genéticos e de hereditariedade.

É normal que em meio ao desenvolvimento da dentição em crianças e adolescentes, os dentes podem se afastar naturalmente um dos outros devido ao desarmonia do processo. Aqui, o diastema pode ser autolimitante e completado com o tempo.

Alguns fatores ambientais também podem motivar a formação do diastema de forma indireta, tal como:

  • Perda dentária por traumatismo;
  • Maus hábitos prolongados como chupar chupeta, o próprio dedo, ou usar mamadeira;
  • Língua de tamanho maior do que o normal (Macroglossia);
  • Hiperatividade lingual;
  • Distúrbios de erupção dentária;
  • Doença periodontal (periodontia);
  • Baixa inserção do frênulo labial superior;
  • Desordem durante o crescimento dentário.
  • Patologias císticas;
  • Doenças gengivais e periodontais;
  • Enfermidades sistêmicas.

diastema dentes

Afinal, como é o tratamento do diastema?

Antes de tudo, vale ressaltar que o diastema pode ser mantido, no entanto, isso após a percepção do dentista de que a fresta não está afetando a saúde bucal, e negativamente a fala ou/e mastigação. Isso no caso do diastema não está comprometendo a autoestima do paciente, pelo contrário.

Em casos em que o diastema comprometa a saúde bucal, o dentista pode indicar o tratamento de acordo com a gravidade do caso. Entre as formas de tratamento estão:

  • Tratamento ortodôntico – correção pelo alinhamento dos dentes;
  • Aplicação de próteses de porcelana – cobertura do espaçamento pela porcelana cimentada na superfície dos dentes;
  • Cobertura do espaço com resina composta;
  • Uso de prótese fixa para a substituição de dentes por implantes – indicação de casos mais complexos em adultos;
  • Colocação de implantes;
  • Cirurgia de redução do tamanho do freio labial (frenectomia); 
  • Extração de supranumerários (dentes extras);
  • Procedimento de gengivoplastia – realização de uma plastia no contorno gengival dos dentes relacionados no tratamento.

Vale ressaltar que para cada caso é necessário uma abordagem diferente, variando de acordo com suas condições da zona bucal, gravidade do caso, adaptação do paciente e de acordo com suas particularidades clínicas.

Após feito o tratamento indicado, é importante que se siga as orientações passadas pelo dentista para uma melhor experiência e o sucesso do pós-operatório. 

Entre os principais cuidados no momento do pós-operatório está uma boa alimentação e uma higiene bucal completa e adequada. É importante que a escovação e higienização foque de forma especial nesse local.

diastema antes e depois

Diastema antes e depois

Pela correção do diastema, é possível se beneficiar de um sorriso mais harmônico e linear, além da facilidade e melhor higienização do sorriso.

Dessa forma, quem se sente incomodado por esse espaço avantajado acaba por recorrer aos tratamentos, e possui a sua autoestima renovada, tal como a autoconfiança, além da melhora da qualidade de vida.

Como higienizar o diastema da forma correta? 

Como dito, a higiene bucal deve ser feita de forma especial, baseado não só na escovação, mas também na passagem do fio dental e no bochecho com um antisséptico bucal.

A escovação deve ser feita pelo menos 3 vezes ao dia, contando com o uso de um creme dental com flúor de concentração 1000 ppm e 1500 ppm. Deve ser feita em toda a dentição por meio de uma escova de cerdas macias, utilizando movimentos circulares e de varreduras.

No diastema, a escovação será feita por meio da ajuda de uma escova interdental, já que a tradicional não é capaz de fazer uma limpeza eficiente na região. 

A escova interdental é uma escova formada por um arame circundado por cerdas, facilitando a remoção de resíduos e placas bacterianas localizadas entre os dentes. Para a limpeza mais eficiente, é indicado o modelo cilíndrico, que é específico para esse caso.

Contudo, o uso da escova interdental não substitui a passagem do fio dental, que deve ser feita entre todos espaçamentos, especialmente o mais saliente (diastema). 

Assim como a escovação, a passagem do fio dental deve ser feita diariamente, e juntamente ao bochecho com o enxaguante bucal, devem acompanhar ao menos uma das escovações, de preferência a noturna.

É somente através de uma higiene bucal adequada que se é possível realizar a ação preventiva de complicações, como cáries, doenças gengivais e periodontais, que possam colocar em risco não só a saúde bucal, mas também geral.

Visitas regulares ao dentista

As visitas regulares ao dentista são essenciais para que haja não só o tratamento do diastema, mas também a sua ação preventiva.

É por meio da periodicidade na clínica odontológica que se é possível ser feito o diagnóstico do diastema, além da avaliação dos bons hábitos. É aqui também que são passadas as orientações e as indicações pela a análise do profissional.

O indicado é que as visitas à clínica odontológica sejam feitas de 6 em 6 meses, sendo assim feitos procedimentos regulares como a profilaxia (limpeza profissional), colaborando com a limpeza profunda da arcada dentária.

O plano odontológico DentalVidas tem diversas opções para garantir mais qualidade de vida e um sorriso mais bonito para você e sua família.

Gostou do texto? Tem alguma dúvida? Deixe aqui nos comentários!

FAÇA SUA AVALIAÇÃO GRATUITA

Diastema: saiba qual a causa e se é necessário tratar publicado primeiro em http://dentalvidas.com.br/

Deixe um comentário