Língua geográfica: o que é e qual o melhor tratamento

Língua geográfica, também chamada como eritema migratório ou glossite migratória benigna é uma alteração rara que surge na língua. Essa alteração surge como manchas semelhantes a um mapa geográfico.

As manchas possuem como principal característica a sua coloração mais avermelhada e textura lisa.

Saiba mais sobre a língua geográfica e qual sua melhor forma de tratamento:

O que é língua geográfica?

A língua geográfica, como dito, é uma anomalia que possui como característica principal suas lesões erosivas avermelhadas, chamadas de eritematosas. Essas lesões, por sua vez, possuem bordas acinzentadas desiguais e desniveladas, e assim como o nome faz referência, se assemelham a um mapa geográfico.

A anormalidade em si não é algo comum e não possui uma causa específica por trás. É um fato comum entre pessoas da mesma linhagem genética, sendo o fator genético a sua principal motivação.

Geralmente, os casos de língua geográfica não resultam no aparecimento de sintomas, assim, não fazendo-se necessário algum tratamento. Contudo, em certos casos, sintomas como ardência, dor e incômodo, podem ser sentidos logo após consumir alimentos quentes, ácidos ou salgados. Diante desses casos, a ingestão desse tipo de alimento deve ser evitada.

Ao contrário do que muitos pensam, a língua geográfica é caracterizada como um distúrbio benigno, ou seja, que não apresenta risco à saúde, justificando a ausência de tratamento específico.

No entanto, suas manchas podem alternar de uma área para outra na língua, o que pode trazer um desconforto estético.

sintomas de língua geográfica

 

Como identificar a língua geográfica?

Como dito, a língua geográfica pode ser identificada pelas manchas avermelhadas e de bordas esbranquiçadas que se desenvolvem no tecido lingual. Essas manchas podem aumentar de tamanho, descamando as papilas linguais filiformes, que são coniformes e de função abrasiva. Não se trata de uma condição contagiosa.

Quanto tempo dura a língua geográfica?

As lesões advindas da língua geográfica são mais frequentes nos primeiros anos de vida, e tendem a desaparecer até os 7 ou 8 anos e são mais comuns no sexo feminino e entre adultos mais jovens. Ademais, podem aparecer em pessoa, independente do sexo ou faixa-etária.

Essa condição pode persistir por semanas, e, na maioria de suas incidências não causa desconforto. Há casos em que o distúrbio some e volta depois de um tempo.

Ademais, as manchas podem continuar ativas por períodos curtos ou duradouros.

Quais as causas da língua geográfica?

O surgimento da língua geográfica pode ocorrer diante do desaparecimento das papilas fungiformes de certas áreas da língua. Essas papilas, por sua vez, possuem formato semelhante a de um cogumelo e a função gustativa, se localizando nos pontos mais elevados.

Por conseguinte ao desaparecimento dessas estruturas, surgem assim, as manchas características da língua geográfica.

Entretanto, as causas específicas que motivam esse sumiço ainda não são conhecidas, mas são considerados os seguintes tópicos como possíveis fatores motivadores:

  • Dermatite atópica;
  • Psoríase (doença inflamatória da pele);
  • Estresse emocional;
  • Caspa (dermatite seborreica);
  • Língua fissurada (sulcos profundos e aparência rugosa);
  • Alterações genéticas;
  • Alterações hormonais;
  • Alergia e atopias (asma e rinite alérgica);
  • Fatores genéticos;
  • Casos de deficiência nutricional (vitaminas).

Por fim, a língua geográfica comumente não resulta no surgimento de outros sinais além das manchas na língua, sem ser as consequências de uma dieta por alimentos quentes, ácidos e picantes.

Segundo a National Organization for Rare Diseases (NORD), a aparência que se assemelha ao mapa é consequência de uma inflamação no local.

O que é bom para a língua geográfica? Como é o seu tratamento?

Uma vez que essa anomalia não costuma desencadear sinais ou sintomas e não é capaz de alterar o sabor dos alimentos, não é necessário recorrer a algum tratamento.

Porém, quando ocorre a queimação ou incômodo em meio ao consumo de algum alimento, o dentista pode recomendar o uso de alguns remédios ou de antissépticos bucais específicos.

Logo, a medicação pode se basear em analgésicos e anti-inflamatórios como Paracetamol ou Ibuprofeno, que auxiliam na amenização da dor após a ingestão de alimentos mais temperados.

Tal como, o uso de remédios corticoides, como Prednisolona, que colabora com o controle da inflamação e também do incômodo.

O uso de enxaguantes bucais, assim como a aplicação de pomadas anestésicas, como a Lidocaína, também atua no alívio da dor e da ardência.

Assim como os alimentos condimentados devem ser evitados, maus hábitos como o cigarro, bebidas alcóolicas, cremes dentais com elementos químicos, substâncias clareadoras ou de sabores fortes devem ser deixadas de lado.

Na ausência do tratamento específico, o diagnóstico é clínico e considera as características das lesões, que se alteram quanto à sua forma e localização, estando constantemente assumindo formações diferentes. Diante de determinadas situações, exames de cultura e biópsia podem ser requeridos.

rachaduras na língua

O que causa rachaduras na língua?

A língua fissurada ou rachada se trata da presença de cortes na língua e ocorrem quando a mesma não é higienizada da forma correta. Diante dessa situação a língua fica mais suscetível a infecções vindas da ação de microrganismos.

Ademais, essa condição também pode causar dor, queimação e halitose (mau hálito), que são resultantes do acúmulo de restos de alimentos dentro das fissuras, e assim, da proliferação de fungos e bactérias na região.

Assim como a língua geográfica, não possui causa ou tratamento específico, sendo a principal recomendação, a adesão dos bons hábitos de higiene bucal.

Vale destacar que a presença dessas rachaduras, de 2 a 6 mm de profundidade, são comumente encontradas em casos das manchas de mapa geográfico.

Higiene bucal adequada

É importante que, para uma recuperação bem sucedida e para o desaparecimento das manchas da língua geográfica, que os cuidados com a higiene bucal estejam sempre em dia.

Não se limite apenas às boas técnicas de escovação, mas também aos demais cuidados como o uso do fio dental, do enxaguante bucal e a escolha correta dos produtos.

No caso, a escovação deve ser feita com uma escova extra macia para uma limpeza precisa e sem danificar a região. Deve ser feita com o uso de um creme dental recomendado pelo dentista. A escovação deve ser feita ao menos duas vezes ao dia, sendo logo ao acordar, nos intervalos entre as refeições e ao se deitar.

Assim sendo, a passagem do fio dental, assim como o bochecho com o antisséptico também devem ser diários, podendo acompanhar a escovação noturna, já que é considerada a mais importante. O bochecho com o enxaguante bucal deve durar ao menos 30 segundos.

Caso a higiene bucal não seja feita da forma adequada pode motivar a incidência do mau hálito.

Visitas regulares ao dentista

Assim como os cuidados com a saúde bucal, as visitas regulares ao consultório odontológico são igualmente importantes, uma vez que é somente pela avaliação do dentista que problemas bucais são identificados em sua fase inicial.

Diante da língua geográfica, a visita ao odontologista será decisiva e significativa para rejeitar sua relação com qualquer problema grave.

Só assim, sob o acompanhamento odontológico, você preservará o bom estado de sua zona bucal e impedirá que distúrbios, dessa vez nocivos, se desenvolvam.

Portanto, o plano odontológico DentalVidas tem diversas opções para garantir mais qualidade de vida e um sorriso mais bonito para você e sua família.

Gostou do texto? Tem alguma dúvida? Deixe aqui nos comentários!

Língua geográfica: o que é e qual o melhor tratamento publicado primeiro em http://dentalvidas.com.br/

Deixe um comentário